H@_VIDA_DEPOIS_DOS_40
Make your own free website on Tripod.com







Nome: Tarciso






Contatos:

meu e-mail





meu site sobre o dízimo
e outros temas católicos:


Minha Página Católica

This page is 

powered by Blogger. Isn't yours?

apadrinhe uma criança
apadrinhe uma criança


CAROS NAVEGANTES:

os textos deste blog são de minha autoria, exceto quando for citada outra fonte




Blogs Coletivos
nos quais contribuo:


verso&prosa
encadeados


aos quatro
ventos







BLOGS PREDILETOS:

Não peço permissão para linkar (e, óbvio, deslinkar), mas se alguém não permitir o link aqui basta me alertar que eu removo, ok?!:

blog da
loba


blog do
camafunga


blog do
dirceu


coisas
de tio


cora
coralina


doce
rotina


entra
quem quer


fluxo da
consciência


jeanete
ruaro


joão
poeta


marcos
caiado


nada
demais


o micróbio e
suas infecções


oceanos
e desertos


pedro
paez


poeta
morto


pretensos
colóquios


profana
inquisição


rebel
bia


regis
marques


retalhos e
pensamentos


rodrigo setti's
place


sonhos
e utopias


teatro
da mente









O Ponto de Encontro dos Blogueiros do Brasil



Anel de Poesia
[ Inscreva seu site | | lista dos sites ]
[ aleatorio | <Anterior | Proxima> ]



tô no Blog List












online












30.4.07

pensamento vespertino
 
Eu não vou falar do tempo, embora me sinta um tanto quanto traído por sua passagem tão fugaz. Apesar de viver eternamente o hoje, a saudade me remete ao passado e a ansiedade ao futuro. Mas não vou falar do tempo, ainda que os meses e anos se sucedam fazendo que os meus cabelos rareiem e os raros remanescentes embranqueçam. As crianças já se tornaram adultas e novas crianças surgem a cada dia. Os filhos têm seus filhos e sem pedir licença vão me fazendo avô – diga-se, - um deleite completo na existência. Mas também existem os espelhos e os comentários jocosos dos amigos. Não vou falar do tempo, mas percebo que a sua passagem pode conferir urgência a muita coisas. Não, nunca fui e nem serei um ancião lamentoso. Não hei de chorar o leite derramado. Não vou posar de vítima por ter deixado o tempo passar. Não, hoje eu não vou falar do tempo, porque não tenho esse tempo todo para falar...

verbo rasgado por tarciso


é possível comentar por aqui também

Comentando:



21.4.07

escrita juvenil
 
arrisco viver assim
entre o real e a fantasia
sonhando acordado
que tudo está consumado
não no sentido do fim
mas de começo
e arremesso a flecha
da minha aljava
em direção à meta cobiçada
um coração escolhido
entre tantos na multidão
e minha escolha casual
jamais foi por acaso
estava marcado
numa lenda antiga
desde o início do mundo
agora eu sei o que fazer
nada
nada
nada
basta deixar acontecer...

verbo rasgado por tarciso


é possível comentar por aqui também

Comentando:



19.4.07

começo
 
do acontecimento
eliminando as espumas
sobra o fato
sem interpretações
retrato de um momento
que se desdobra
quase ao infinito
medito por acaso
em dois meros gametas
por linhas do destino
ou traços do divino
um dia se fundiram
depois de certo tempo
quem sabe o que virá
naquele novo ser
que se anuncia
em tímidos vagidos
como a dizer
ainda sem saber
o alguém
que ele será

verbo rasgado por tarciso


é possível comentar por aqui também

Comentando:



13.4.07

a fala do silêncio
 
Quem sou, de onde vim, para onde vou?!
Estas questões ocupam a mente do ser humano desde o dia que ele se dá conta de ser até o dia em que perde a conta e parte para o seu destino além. São perguntas imbricadas entre si e suas respostas determinam a conduta e as escolhas mestras na vida da pessoa.
É verdade que a intensidade de uma tal preocupação varia muito de pessoa para pessoa e algumas apenas a consideram de forma rara e ocasional. Outras, no entanto, a tem por obsessão e dela não se afastam a não ser naquele dia em que tudo se exaure e ela mergulha no eterno fora do tempo. Ali se defrontará com a sua resposta quer esta seja plena de eloqüência, quer tudo se resuma num grande silêncio.
A Palavra?!... Ou o Silêncio?!...
Concebo honestamente a vida como palavra que ressoa ad aeternam mesmo ao risco de ao fim ser envolvido por uma quietude inamovível e sem fim... Como Pascal, experimentarei o deleite infinito a prevalecer o que concebo ou mergulharei no nada insensível se houver só o silêncio como resposta...

verbo rasgado por tarciso


é possível comentar por aqui também

Comentando:



4.4.07

nonsense
 
nem tudo o que parece
merece aparecer
desvelado sobre os ombros
ou sob os escombros
do viver
quem sou?!
aonde vou?!
porque porque porque?!
perguntas prolongadas
e respostas vãs
deitado ao divã confesso
as neuras e as nóias
as canduras inocentes
do meu interior demente
massacrante
impenitente
nestes tempos de deserto
tudo longe
tudo perto
do nonsense
do não ser

verbo rasgado por tarciso