H@_VIDA_DEPOIS_DOS_40
Make your own free website on Tripod.com







Nome: Tarciso






Contatos:

meu e-mail





meu site sobre o dízimo
e outros temas católicos:


Minha Página Católica

This page is 

powered by Blogger. Isn't yours?

apadrinhe uma criança
apadrinhe uma criança


CAROS NAVEGANTES:

os textos deste blog são de minha autoria, exceto quando for citada outra fonte




Blogs Coletivos
nos quais contribuo:


verso&prosa
encadeados


aos quatro
ventos







BLOGS PREDILETOS:

Não peço permissão para linkar (e, óbvio, deslinkar), mas se alguém não permitir o link aqui basta me alertar que eu removo, ok?!:

blog da
loba


blog do
camafunga


blog do
dirceu


coisas
de tio


cora
coralina


doce
rotina


entra
quem quer


fluxo da
consciência


jeanete
ruaro


joão
poeta


marcos
caiado


nada
demais


o micróbio e
suas infecções


oceanos
e desertos


pedro
paez


poeta
morto


pretensos
colóquios


profana
inquisição


rebel
bia


regis
marques


retalhos e
pensamentos


rodrigo setti's
place


sonhos
e utopias


teatro
da mente









O Ponto de Encontro dos Blogueiros do Brasil



Anel de Poesia
[ Inscreva seu site | | lista dos sites ]
[ aleatorio | <Anterior | Proxima> ]



tô no Blog List












online












21.2.06

parênteses
 
Há dias perfeitos. Há os nem tanto. E existem dias horríveis. O consolo é saber que ao menos nas minhas toscas estatísticas, este último tipo de dia, graças a Deus, figura como exceção. A segunda foi assim, mas já passou.
Então eu abro e fecho os parênteses deste dia, viro a página e fico olhando serenado as folhas virgens do bloco de notas sobre a minha mesa...

verbo rasgado por tarciso


é possível comentar por aqui também

Comentando:



17.2.06

conselhos de graça ou a graça dos conselhos
 
Não seja a tua juventude um ópio que te sorva, para que a maturidade não te seja amarga. Apesar da vida parecer um buraco negro sugando o brilho e as estrelas, ninguém está fadado a ser anulado, exceto se fizer essa escolha e anular-se voluntariamente a si mesmo. O universo é infinito e cada pessoa é um traço aparentemente nulo na estatística da humanidade. Quanta gente já viveu até o presente, quantos bilhões de seres humanos já habitaram este planeta. Em minha carne há fragmentos da carne de muitos que já me precederam na existência. Somos todos frutos do carbono que se recicla indefinidamente. Isso não faz de mim menos do que já sou. Sou nada. Mas é tudo o que sou. Avaliar-se estatisticamente seria algo frustrante e deprimente. Mas quando se pensa na pessoa, no universo que cada um representa, então alçamos o infinito. Porque se o universo é infinitamente grande - a pessoa é maior que o universo, porque todo o universo cabe na emoção, no pensamento, na alma de cada pessoa. Então o nada absorve o tudo e com ele se confunde. Há traços brilhantes do universo em cada ser, o infinito habita cada pessoa. A relatividade do ser se decompõe diante do absoluto do existir. E ao fim, depois de tanto pensar e refletir, há que se concordar. É tudo tão grandioso que somente um Deus pode explicar as razões do existir. E se um Deus explica, porque desesperar, porque se embriagar de um absinto depressivo, porque amargar uma vida derrotada se ninguém existe antes de experimentar a vitória da conquista do espaço de viver. Milhares tentaram e só um conseguiu imergir e fundir-se à semente que o gerou. Explodiu assim em vida que ainda não murchou. E quando murcha é lançada à terra para que germine em eternidade. Levante, pois, a tua fronte. Ouse passos nunca dados, perceba o sol em seu lume e calor. O deserto contém alguns oásis, a dor encontra o seu linimento e a vida existe para desabrochar e florir até mesmo nas terras mais áridas. A pessoa é um dom. Um dom para si mesma e um dom para todas as demais vidas ao redor. Viva a vida, faça o melhor e deixe viver!...

(PS. este post é um desdobramento de um comentário que deixei num flog que visitei hoje - inteligente mas down demais para a idade do autor.)

verbo rasgado por tarciso


é possível comentar por aqui também

Comentando:



14.2.06

Pulsões
 
O pensamento se aliena de mim e vai fugindo sorrateiro. Tento alcançá-lo infrutiferamente e me canso. Às vezes sinto uma sensação de ocaso e em outras um entusiamo juvenil parece estender a dimensão da vida além dos muitos anos que já ostento. Tenho percalços infantis que ainda não compreendo. A vida me parece tão simples e deve ser por isso que é complicado demais entendê-la. Uma criança não abriga questões filosóficas não resolvidas. A criança quer alguma coisa e luta para obtê-la. Chora, seduz, esperneia. A criança quase sempre consegue o seu objetivo. Quando não, ela muda o rumo dos desejos e secando a lágrima da frustração recente, já quer algo diferente. Acho que na infância se vive um dia de cada vez. Eu quero e quero muito e quero tantas coisas e, a bem da verdade, se alguém me perguntar agora eu não saberia dizer o que... Porque são tão variados os meus desejos. Tenho desejos espirituais e tenho desejos carnais e como conseguem ser carnais alguns desejos. Reflito o conflito e ajusto os desajustes. Uma coisa é certa: quase sempre caminho sereno, mas se derrapo e caio - o jeito é dar a volta por cima, me levantar e seguir vivendo!...

verbo rasgado por tarciso


é possível comentar por aqui também

Comentando:



7.2.06

perspectiva infinita
 
pois bem
há um tempo para tudo
então pára tudo
que eu quero embarcar
e retomar a rotina
nesta grande viagem
que a vida nos dá
sou místico
e transporto em mim
centelhas do divino
sagrado e consagrado
não carrego um fardo
não lamento a cruz ou o clima
pois aqui tudo termina
quando o eterno começar

(sob o efeito de um congresso Nacional de Ministérios da RCC em Aparecida)

verbo rasgado por tarciso