H@_VIDA_DEPOIS_DOS_40
Make your own free website on Tripod.com







Nome: Tarciso






Contatos:

meu e-mail





meu site sobre o dízimo
e outros temas católicos:


Minha Página Católica

This page is 

powered by Blogger. Isn't yours?

apadrinhe uma criança
apadrinhe uma criança


CAROS NAVEGANTES:

os textos deste blog são de minha autoria, exceto quando for citada outra fonte




Blogs Coletivos
nos quais contribuo:


verso&prosa
encadeados


aos quatro
ventos







BLOGS PREDILETOS:

Não peço permissão para linkar (e, óbvio, deslinkar), mas se alguém não permitir o link aqui basta me alertar que eu removo, ok?!:

blog da
loba


blog do
camafunga


blog do
dirceu


coisas
de tio


cora
coralina


doce
rotina


entra
quem quer


fluxo da
consciência


jeanete
ruaro


joão
poeta


marcos
caiado


nada
demais


o micróbio e
suas infecções


oceanos
e desertos


pedro
paez


poeta
morto


pretensos
colóquios


profana
inquisição


rebel
bia


regis
marques


retalhos e
pensamentos


rodrigo setti's
place


sonhos
e utopias


teatro
da mente









O Ponto de Encontro dos Blogueiros do Brasil



Anel de Poesia
[ Inscreva seu site | | lista dos sites ]
[ aleatorio | <Anterior | Proxima> ]



tô no Blog List












online












30.1.05

sonhos do passado
 
o ar se rarefaz em ondas espirais
enquanto os pensamentos vagam
e me navego em recantos abissais
porque a pele veste uma saudade
vou recoberto de tolices matinais
não subsiste mais do que um menino
sob a epiderme deste ser que ainda sou
ou nunca fui e nem serei jamais
eu tenho que voltar no tempo etéreo
rever as épocas sofridas
e mutilar antigas dores
raizes de mim
e tudo aquilo que não sou
em vôos panorâmicos da vida
recordo em uma foto esmaecida
aonde me retrato em plena ausência
rebusco o meu futuro no passado
em sonhos antes não imaginados
nas ávidas lembranças que sonhei

verbo rasgado por tarciso


é possível comentar por aqui também

Comentando:



26.1.05

CReiniano
 
Navegando pelo Orkut descobri uma comunidade de Ex-alunos do Colégio Cristo Rei, em Jacarezinho/PR, onde estudei nos idos de 1963 a 67. Descobri também o site daquele meu colégio de infância e início da adolescência. Um dos colegas cunhou essa expressão "CReiniano" e com ela imediatamente me identifiquei. Ter estudado no Cristo Rei é uma daquelas realidades latentes com as quais nos acostumamos e que jazem adormecidas em nosso inconsciente até que um evento as venha despertar. Nestes dias estou revisitando esta parte fundante do meu passado e resgatando e redescobrindo pessoas e situações marcantes da minha história pessoal. Confesso que a minha memória daquele tempo é um tanto difusa e não consigo aprofundar-me nos detalhes dos fatos e circunstâncias. Minha memória fotográfica é sofrível e os nomes das pessoas sempre foram para mim o calcanhar de aquiles nos meus relacionamentos. Se encontro fortuitamente uma pessoa do passado, normalmente me envergonho muito ao constatar minha amnésia em relação ao seu nome ou à circunstâncias que experimentamos na convivência pregressa.
Não me move o saudosismo mas hoje estou movido de saudades! Então vou postar uma fotografia daquela época, de qualidade prejudicada pelo tempo e capturada pela câmera do Frater Cecílio - o nosso saudoso Fratão. Para não ficar preso ao passado, posto ao lado uma foto recente. Assim, se alguém que me conheceu naquela época visitar esta página terá uma idéia do que o tempo se encarregou de realizar em minha pessoa...

foto de 1965
foto recente

verbo rasgado por tarciso


é possível comentar por aqui também

Comentando:



24.1.05

rumos e asas
 
como o Tom Hanks
em "Forrest Gump"
já pensei em correr
e até corri algumas léguas
costumo ser um cara esclarecido
viajo quando em vez
ando de trem, barcaça ou avião
dirijo um automóvel
ando na boléia de um caminhão
quero o deslocamento
só não me mexo
vivo plantado no lugar
quem sabe na aposentadoria
eu ganhe algumas asas
e mude algumas casas
depois que os dados rolarem
e minhas asas se alarem
encontrando a minha Atlântida
com passagem em Pasárgada
e destino Shangri-lá

verbo rasgado por tarciso


é possível comentar por aqui também

Comentando:



19.1.05

impulso
 
meu peito vai pulsando em latência
pois hoje o meu desejo é colibri
os movimentos são alados multicores
e minha reticência em frenesi
despede-se em comboio barulhento
confesso que amanhã não sei de mim
se o ontem foi letárgico arrastado
agora posso ser o que escolhi

verbo rasgado por tarciso


é possível comentar por aqui também

Comentando:



18.1.05

tempos arredios
 
em tempos arredios
até o meu silêncio é mudo
não confio na eloquência
ou na candura de um sorriso
e a cada palavra ouvida
a minha reticência por resposta
mas sou um arredio sazonal
é quando o alvoroço toma conta
ao som de tilintares e risadas
ferindo todo laço ou compromisso
à força de ironias desregradas
ali já não existe a companhia
e o afeto mútuo é desigual
suporto aquilo um momento
depois me afasto e emudeço
e espero o retorno ao natural
se sinto que é inverno adormeço
interno em meu refúgio habitual
formastes-me iglu - pois o derretas
seduza-me em teu hálito candente
calando este silêncio matinal

verbo rasgado por tarciso


é possível comentar por aqui também

Comentando:



16.1.05

 
as imagens impactam
película sensível
arrastam-se após o fim
créditos e a trilha em gradientes
mergulho em reminiscências
e adentro um silêncio branco
que me remete a velhas imagens
já não na tela à frente
de olhos fechados posso vê-las
as imagens se borram na tv
lágrimas distorcem a visão
nítidas as cenas interiores
perscruto o interior do coração
não ligo parecer piegas
não me desfaço das lágrimas
há um que de juvenil
nessa saudade
desejo de solidão
aprofundo o meu silêncio
já não sou mais criança
já não sou mais
já não sou
já não

...

verbo rasgado por tarciso


é possível comentar por aqui também

Comentando:



14.1.05

problemas nos comentários do blog
 
Tive um problema com os posts do mes de janeiro e acabei perdendo todos os comentários. Mais tarde vou tentar recuperá-los e transcrever nos respectivos posts. Fiquei chateado com isso, mas são coisas que acontecem quando a gente fica fuçando muito no blog como andei fazendo estes dias. Lamento e peço desculpas aos leitores que tiveram seus comentários perdidos...

verbo rasgado por tarciso


é possível comentar por aqui também

Comentando:



questão de números
 
a vida não se resume em números
apesar de inúmeras teorias contrárias
do que adiantam os milhões no banco
ao correntista morto?!
ele mal é enterrado
os órfãos desconfiados
já repartem os despojos
isso é meu
não, não, é meu
o que isso, claro que é meu
cada um defende o seu
o dinheiro que era um
agora tem muitos donos
e aquela fraternidade?!
a petulância de uns
a arrogância de outros
sempre geram divisões
onde imperam ambições
jamais a paz vai reinar
não sei quantas vezes
nisso ainda vou pensar
melhor eu deixar pra lá...
é só mais uma questão de números

verbo rasgado por tarciso


é possível comentar por aqui também

Comentando:



13.1.05

hibernância
 
ao pensamento alado
o corpo acorrentado
não pode acompanhar
aonde agora andará?...
tento vencer a letargia
e descobrir que novidades
depois de um tempo me trará
meu ideal agora é hibernar
ao menos por algumas estações
já nem me importarei
seja verão ou primavera
seja inverno ou meu outono
morro letárgico de sono
sonhando um novo dia que virá...

verbo rasgado por tarciso


é possível comentar por aqui também

Comentando:



12.1.05

força estranha
 
despido em aconchego
assim me rondo e reconheço
sem os desmandos da hipocrisia
em suas demandas desregradas
frustro a estética da mídia
aonde o belo é feio
e um feio de feiúra escancarada
percebo oposta a realidade
ainda que a idade nos traga seus temores
mas traz também alguns sabores
a carne pode estar trêmula e cansada
mas ainda é viva e a tez suave
carrego ao peito alma febril enluarada
e o viço dos olhos é mantido
a tensa caldeira das entranhas
expele calor sutil e inexplicável
feito vulcão extinto e apagado
donde transborda um vinho inebriante
caudal de ternuras sufocadas
agridoce embriagando vidas
entorpecido ao vazio sublimado
namoro a estrela, beijo a lua
a emitir grunhidos solitários

verbo rasgado por tarciso


é possível comentar por aqui também

Comentando:



10.1.05

colibri
 
na fuga
um travo de fel
na busca
um favo de mel
mas nenhum naco recebi
lépida partiste
e no silêncio morto
me envolvi
voaste em solo
deixando-me sozinho
a trinar desafinado
desarvorado colibri

verbo rasgado por tarciso


é possível comentar por aqui também

Comentando:



7.1.05

sublimações
 
Nem só de poesia o viver. Às vezes tenho gana de render-me ao sorvedouro das mudanças. Encetar uma viagem bandida sem portos delineados. Romper todas as instâncias dos consensos, da decência, das censuras. Mas o passo não é alçado e a saliva é engolida sem o naco desejado. Sublimo. Reprimo. Choro de saudades de algo que não foi vivido e nem completamente sonhado. As culpas sobrevêm. Me abastei de bem-estar. Sinto-me envolvido em atmosfera serena. Ausente apenas o fator surpresa. As mais intensas interjeições exclamativas não pertencem ao meu universo. Meu mover é metódico, milimétrico, completamente previsível... Quando tudo está bem, tudo está bem. Quando algo não vai bem, nada vai bem... Desabafo. Desafogo. Me volto ao meridiano propenso a fugir das sombras... Agradecido constato o óbvio nem sempre ostensivo ou encantador: estou bem vivo e vivo bem. Isso devia bastar e me fazer transbordar gratidão. Mas não... E vem o arrependimento por me render aos lamentos sem ter o que lamentar...

verbo rasgado por tarciso


é possível comentar por aqui também

Comentando:



6.1.05

sobrevôos
 
sou perfeita imperfeição
quando me vejo no chão
tenho asas pra cuidar
e quando plano liberto
vejo a terra a descoberto
onde tenho que pousar
transmuto meus elementos
água fogo terra e ar
queimo as dores
bebo as flores
do meu aterro um hangar
nele habito e descortino
um infinito voar

verbo rasgado por tarciso


é possível comentar por aqui também

Comentando:



4.1.05

desejos
 
desejos plenos
planos em ciclos
que rodopiam
volvendo ao mesmo lugar
há que recomeçar
nesta lágrima pingente
rolando a face enxuta
febril cansaço das lutas
e as letras despejadas
carregadas de non-sense
dimensões quase minúsculas
já fulgura alaranjado
meu crepúsculo solar
adentro às quatro luas
de alma nua
querendo calar
no embriagante silêncio
a ruminar os desejos
sublimados ternamente
nos porões da minha mente
e em seus desvãos inocentes
onde podem sem censura
em clausura se abrigar

verbo rasgado por tarciso


é possível comentar por aqui também

Comentando:



3.1.05

porvir
 
contemplo uma infinidade de paradoxos
situações inverossíveis que incomodam
mas a vida as encaixa em seu bojo
carrego silencioso meus estojos
entre os lápis-de-cor da infância
que muitos arco-íris desenharam
e dramas de certos acontecimentos
momentos marcantes
que fizeram cicatrizes e se eternizaram
se ostento agora um sorriso largo
é porque graças a Deus as tenho superado
e talvez sejam até minha riqueza
força e perseverança dos meus passos
na inconstância das certezas perseguidas
me sinto agora bem-aventurado
e espero prosseguir
rumo a um porvir ainda mais abençoado

verbo rasgado por tarciso