Make your own free website on Tripod.com

            H@ VIDA DEPOIS DOS 40

...com pensamento, opinião e poesia em doses homeopáticas...

sexta-feira, 19 de março de 2010

aviso aos visitantes

Peço alguma paciência adicional aos eventuais transeuntes virtuais que por aqui passarem. Não abandonei o blog como pode parecer - apenas estou em transição para mudança de servidor porque o blogger vem advertindo a seus usuários que, a partir de maio, não mais possibilitará o uso de ftp para a atualização do blog... tendo um domínio próprio não posso utilizar a alternativa que eles oferecem de transformar o meu blog em www.luiztarciso.blogspot.com - embora estejam replicados lá meus textos antigos que eventualmente estejam inacessíveis aqui. Quando houver a mudança definitiva, postarei o novo endereço. Agradeço a todos!



sábado, 20 de fevereiro de 2010

desassossego

apesar da preguiça
não dá pra hibernar no calor
só rastejar descoberto
sobre o colchão pegajoso
entre suor, lágrimas
e uma nudez salgada
porque tem sido inclemente
o mais recente verão
nem mesmo as cigarras
ficam à vontade nos galhos
desafinando a sinfonia
os trovões já não assustam
e a chuva torrencial
enlameia toda a alma
dias de intolerância
não há calma
não há nada
nem há ...

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

extenso haikai

não fui à maioria dos lugares
nem vou
só fico aqui onde estou
nenhuma pressa
de chegar!!!

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

montantes

água
não pode faltar
ou morreremos
nem sobrar
ou soçobramos
porque n'algumas enxurradas
não é possível flutuar

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

nonsense

chuvas torrenciais
temperaturas tórridas
só o coração em sobressalto
ainda é capaz de congelar
frente ao nonsense dos fatos...

domingo, 31 de janeiro de 2010

seguindo avante

antes da nova estação
depois do fim do verão
é sempre tempo de amar
porque o tempo cobra
os afetos ausentes
os medos inclementes
e a dor inútil
mas nos devolve com juros
todo gesto amigo
e todo expor ao perigo
depende qual a escolha
e eu hei de prosseguir
sem tirania das bússolas
sem mapas escondidos
sem máculas na mente
deixando que o vento leve
e que venha a chuva e lave
toda a nudez da alma
e me deixe navegar...

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

ao nível do mar

aspiro a redenção
e se puder a quarta dimensão
meu ego desinflado
flanando como um raio domesticado
iluminando as manhãs
de todas as feiras
e dos finais de semana
enquanto é férias
perduro singular
multiplicando as vidas
como nos games infantis
explorando as encostas
a te levar nas costas
aonde quer que vás
sempre ascendendo
embora o corpo envelheça
e a tez padeça
e enquanto o tempo corre
no verso rejuveneço
e não padeço ao flutuar
nível do céu, depois da terra
por fim do mar...

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

eterna criança

os estilhaços que se alojam na alma
numa noite quente ou numa tarde calma
podem se mexer
e quando isso acontece
a dor irrompe feito um maremoto
produzindo gemidos inconfundíveis
e doses maciças de analgésicos
o sono então é doentio
e mil delírios tomam conta
onde está a mãe que se foi
onde está seu unguento perfeito
o seu acalanto
o calor do seu peito?!
o ser humano
é uma eterna criança...

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

caminho

os ciclos me reciclam
e enquanto o tempo envelhece
surgem tenras personagens
a preencher de vida
o horizonte da gente
reduzo expectativas
baixo a guarda
e o medo da ferida
esqueço o desempenho
e já não proponho
não amparo pretensões
não me abalam presunções
apenas navego os sentidos
descobri que assim me refugio
das tempestades
e me abrigo
nas calmarias que há em mim
improviso palavras
embalo pensamentos
e não faço juramentos
apenas sutil caminho
ensaiando distraído
cada passo em meu lugar...

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Feliz 2010!

Olhando a juventude à minha volta constato que, de fato, pertenço a outra geração, mas gosto dos escritos de todas - especialmente das mais recentes porque o hábito da escrita cursiva vai se rareando e sendo substituída por códigos indecifráveis para os mais antigos... De toda forma viver é um aprendizado e os nossos sofreres geralmente são maiores quando nos deslocamos de nós mesmos numa tentativa frustrada de habitar outras pessoas. Ser centrado não é o mesmo que ser egocêntrico, mas é habitar-se integralmente e ser orbitado por outras naves com afinidades que justifiquem a proximidade. Com o tempo aprendemos a nos afastar dos inúteis, dos párias egoístas e dos sanguessugas interesseiros. Aprendemos ainda a valorizar os detalhes e as pequenas coisas que podem ser somadas no dia a dia e se tornam essenciais na vida. É belo ver a flor que desabrocha e o sol que em sua dança rotineira cruza os céus iluminando a vida e quando ele se esconde - que beleza - surge a lua inocente e benvinda...
A todos os transeuntes virtuais que orbitarem por aqui desejo um Feliz 2010!!!

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

escuridão

em meio à noite escura
um breu que assusta
e o rugido que ecoa
bem rente à proa
do barco à deriva
sem nada vivo
a morte assombra
na lagoa
o casco toca o barro
e tudo pára
só o silêncio faz barulho
coração em disparada
vento que açoita a mata
e o choro sem dono
do rio em cascata
o tempo é de calor
mas tudo fica frio...

domingo, 13 de dezembro de 2009

tatos agrestes

unhas pontiagudas surfam minhas costelas despidas
em movimento agressivo com roupagens de ternura
meus gemidos camuflados não ecoam
e os teus sussurros voam na escuridão noturna
ah como buscamos os sentidos
nos quais sempre escondemos
aquele sexto escondido
na penumbra
de um pensamento natimorto
fruto de um momento doentio
que imóvel jaz
no meu sepulcro
antes daquela hora
a derradeira
coroada pelo último suspiro
e enquanto ainda respiro
arfante
aos sonhos indecentes reprimidos
e voltamos aos sentidos
que buscamos
tateando
inutilmente
pela morte pela vida
dessa gente esculpida
nos espelhos, nas areias e nas veias
nestes delírios sem fim...

PS. estes garatujos foram originalmente publicados em minha página do luso-poemas

sábado, 12 de dezembro de 2009

pensamentos autônomos

Deveria existir uma lente especial para revelar as virtudes das pessoas à nossa volta. Os defeitos são sempre muito evidentes aos nossos olhares críticos - mas mesmo a pessoa que consideramos mais chata terá lá seus pontos positivos. O problema humano é se encher de preconceitos e carimbar aqueles com os quais não se simpatiza com o carimbo de antipático, excluído, carta fora do baralho. Em compensação, endeusamos algumas pessoas que nem sempre merecem tanto devotamento. E assim a vida vai seguindo, mais um ano terminando e um outro que vai surgir em poucos dias. Antes disso o Natal que virou pretexto para um consumismo hedonista e vazio. Luzes piscantes, propagandas, mesas fartas e substituições muitas vezes desnecessárias - o carro tem que ser novo, o celular precisa ser trocado, a câmera antiga já não presta, a própria família é às vezes colocada para escanteio. Quando aprenderemos o valor das pequenas coisas, dos gestos discretos de afeto, da companhia quotidiana dos nossos familiares e entes queridos?! Porque somos quase sempre eternamente insatisfeitos?! Precisamos envelhecer para aprender as realidades mais evidentes e mais simples que realmente fazem a vida valer a pena?! Sofremos tanto por querermos objetivos inatingíveis e geralmente desprovidos de valor real. Melhor se contentar em "ter" menos e procurar "ser" mais! Bem, é só uma espécie de acerto de contas com minhas idéias já que o final de ano é um tempo propício para balanços!!!
Pra quem percorreu estas linhas e chegou até aqui eu quero aproveitar a oportunidade para antecipar meus votos de um FELIZ NATAL!!!

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

teias de aranha

Antes que comece a juntar teias de aranha virtual aqui neste espaço vou rabiscar alguma coisa em instância de monólogo. O ano acadêmico terminou e quase levou os últimos fios de cabelo que minha cabeça ostentava. Foi o ano mais estressante dos 4 até aqui cursados. Um monte de trabalhos, leitura de livros, estágio obrigatório e a monografia ainda inconclusa. No próximo ano termino, se Deus quiser. Ufa...

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

frutos do tempo

de forma mecânica
o relógio faz a mediação
e marca todos os momentos
quando sobrevém a dor
tudo passa muito devagar
mas quando se instaura
a excitação da alegria
em cada nova descoberta
as horas voam sem cessar...
de onde se vislumbra o Pão-de-açúcar
o Corcovado e o Cristo Redentor
onde o sol aquece no inverno
e torra no verão
de lá, do inesperado
irrompe um motivo jovial
que plenifica os meus os dias
no resgate da pureza de menino
que ilumina o seu e o meu destino
na luz de um sorriso sem igual...

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

brevidades

Às vezes é preciso respirar fundo
para voltar à rotina...
pois a retina fixa um ponto no passado
quando ainda havia todo um colorido
e o folguedo das crianças no bailado
a ensaiar os seus primeiros passos
e se podia pedir colo ao fim do dia
e mergulhar nos sonhos
sem perceber
que a vida passa
que é tudo muito breve
e que depois de um tempo
as cores ficam tão esmaecidas...

terça-feira, 13 de outubro de 2009

+ Paulo Cesar



Sob o impacto da notícia e já me visita a saudade. Partiu o meu irmão de sangue. Eu tinha expectativas boas da gente reconstruir nossa fraternidade depois de tantas idas-e-vindas nessa vida de meu Deus. Não deu tempo e ele se foi antes da hora, ao menos, era o que todos achávamos. Ele estava com planos, nova casa, novas expectativas, nova perspectiva. Mas as coisas não ocorreram como esperávamos e ele partiu. Deus o tenha e nos dê forças e conforto para superar a sua perda que é tão significativa para nós, seus familiares e amigos.
Vá com Deus, meu irmão!

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

expectativa frustrada

a alegria bateu à porta
e eu abri
escancarei do meu lugar
o que fazer
se simplesmente
ela não quis entrar?!

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

riscos desanimadores

Há momentos em que, não fosse a fé vivida e professada, o pessimismo e o desânimo tomariam conta da nossa mente. Os humanos não se cansam de dar provas de irracionalidade e entre estes, os políticos, sobremaneira, que dão seguidas mostras de não fazerem o menor caso das expectativas da população que os elegem. Emblemática foi a escolha do substituto do jurista Direito no STF pelo Senado. O presidente da república, premido por questões ideológico-partidárias, convoca um advogado do partido que sempre vai se perfilar ao comandante e o unge para o mais elevado posto da magistratura sem que, ao menos, o ditoso mortal escolhido apresente as mais comezinhas credenciais para o cargo. Lamentavelmente os poderes da república - executivo, legislativo e judiciário - perderam a noção de comando, deliberação e justiça que deveria ser próprio de cada um deles. Resta-nos o tempo e a reflexão para que escolhamos melhor os nossos representantes nas próximas eleições.

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Carta aberta aos Senadores da República

Prezados Senhores Senadores.
Uma seleção de onze renomados juristas compõe, vitaliciamente, os quadros do STF. Neste momento em que se decide a vaga do décimo primeiro elemento deste seletíssimo grupo, V. Excias., como lídimos representantes das unidades federativas, tem a prerrogativa constitucional de ser a voz de milhões de brasileiros insatisfeitos com essa escolha de cunho político partidário, vetando a convocação de um advogado que atende unicamente o interesse do Sr Lula e companhia, e não aos mais altos interesses do nosso País.
Por favor, Sr Senador, exerça o seu livre direito de rejeitar a indicação de uma pessoa não qualificada para o exercício de um tão elevado encargo para o qual o que o indicado tem de notório é a insuficiência de conhecimentos no campo do Direito e não o saber jurídico exigido. Não é o bastante ser advogado para compor o STF, é preciso ser um jurista de escol e isso está patente que o indicado da vez ainda não é.
Saudações de um cidadão brasileiro que persiste acreditando ao menos num dos poderes da república - o Judiciário que, no entanto, está refém da ameaça de nefasta contaminação política se o nosso já aviltado e fragilizado Legislativo sucumbir ao canto da sereia do onipotente Executivo. O Brasil e os brasileiros de bem não merecem essa afronta!

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

divina humanidade

As sandálias arrastadas produziam um som amortecido e os pés repousavam confortáveis no seu interior macio. Tudo o mais era uma incógnita ferida naqueles olhos que precipitavam lágrimas no vazio. Não era possível definir exatamente a sua idade embora se advinhasse um aspecto juvenil escondido atrás do sofrimento entrecortado por soluços reprimidos. Não resistiu ao aconchego ofertado pelo estranho e deixou-se envolver naquele silencioso e protetor abraço. Calaram-se as palavras e se algum som se ouvia não passavam dos grunhidos de quem chora aumentando progressivamente de intensidade enquanto crescia o silêncio paternal de quem reverentemente o consolava. Passaram-se os minutos, passaram-se as horas, passou a dor como mais cedo ou mais tarde passam todas as dores juvenis. Um semblante serenado apareceu naquele ser abandonado e, ele, abrigado num abraço terno, reencontrou a sua chance de seguir adiante procurando o próprio destino. Aquele foi o abraço definitivo em sua vida - jamais o esqueceu, também jamais reviu aquele mesmo aconchego e, agora, já bastante amadurecido, ainda traz na lembrança reminiscências esmaecidas daquele abraço de Deus manifestado nos braços humanos de um ser desconhecido...

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

ilhado

hoje é uma ilha
cercada de ontem e amanhã
também sou ilha
envolta de gente
e serei mar
para voar
longe de mim...

sábado, 12 de setembro de 2009

átimos de fé

O mistério ronda a existência, das galáxias à nanopartícula. Tais mistérios inquietam a alma humana e de alguma forma também remetem ao amor - causa primeira e simultaneamente causa final de tudo o que há. E se creio que tudo o que existe foi causado por um ato divino criador então é só se embriagar de amor, arregaçar as mangas e levar vida onde a vida é negada. Levar a paz aonde ela é sonhada e levedar o mundo com a ternura de Deus. O cristão é um otimista pertinaz por saber em quem deposita a sua confiança...

sábado, 5 de setembro de 2009

mosaico

sou um mosaico
as vezes mais camaleão
quando me rondam sombras
dos fantasmas da infância
a vida é drama cômico
na infinidade de papéis
o caricato rejeitei
ou recriei talvez
daí ensaiei tanto
durante tantos anos
que o encarnei de vez
e acho que deu certo
pois me tornei quem sou
do que não posso reclamar
nem vou...

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

indignação cívica

É impossível continuar passivamente aceitando a vergonhosa escalada da corrupção na política nacional e, em particular, a enorme pizza que está sendo assada no Senado da República. Hoje o brasileiro possui mecanismos sofisticados de comunicação de massa tipo orkut, twitter, blogs e quetais que se revelam suficientemente capazes de influenciar no mundo da política. Entretanto, é preciso vencer a inércia natural humana e pensar que é possível dar um primeiro passo na direção das mudanças inadiáveis. No poder estabelecido o tecido se esgarça com a corrupção e esta se espraia em todos os sentidos e direções. Assiste-se aos ladrões de todos os tamanhos agindo impunemente. A violência grassa nas metrópoles e nas cidades do interior. A população acovardada bale com mansidão irritante.
É preciso algo mais, é preciso uma indignação proativa!
É preciso ressuscitar aquele espírito estudantil aguerrido dos caras pintadas do Brasil, sob o risco de sermos submergidos de vez pela podridão que exala dos palácios de Brasília, das capitais e até dos pequenos centros urbanos.
Brasileiros, indignemo-nos antes que seja tarde demais!!!

Entre tantas coisas possíveis de se fazer para manifestar a nossa indignação, uma das melhores é aderir a uma campanha que descobri no twitter: rir para não chorar

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

em causa própria

legislo em causa própria
iluminando a minha face
penteando os cabelos
e perfumando a pele
porque aspiro a tua luz
o aroma dos teus cabelos
saborear o teu beijo
ganhar o teu sorriso
e me perder por inteiro...

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

visão de mundos

Na visão de alguns
críticos e céticos
eu nada enxergo
e o meu corpo
é apenas um ponto
no universo
mas na minha ótica
o mundo à minha volta
rodeia o meu mundo
e lá no fundo
a roda do infinito
que une os dois mundos
no universo que conheço...

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

banho letal

o vermelho pulsa
arruína contas bancárias
flameja na manchete
e flui fora das veias
lambendo a pele
encharcando a areia
contunde depois disso
ausência inexpressiva
e a fria palidez...

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

senilidade braziliana

há muita estupidez
a preencher estúpidos
em suas ninharias
de arroubos pantanosos
e gozos infernais
horizonte pródigo
farinha dos ventiladores
patranhas brazilienses
dessa política tupiniquim
que escolheu viver
sob os tapetes
sobre as mutretas
sem os sabres da honra
desconhecida aos nossos
políticos senis
e nada samurais...

sexta-feira, 31 de julho de 2009

solar

a noite fria
antecede o dia
e não se sabe o que vem
o sol é esperado
e ele invariavelmente está lá
escondido
ou
explícito
o seu calor
ilumina
e segue a nossa sina
marcando a passagem do tempo
que pra ele passa muito devagar...

segunda-feira, 6 de julho de 2009

vazantes

no vácuo da noite
o animal no cio
em mergulho rústico
explora os vazios
e varia de humores
sem soar tambores
sem ver a fumaça
sem graça ou desgraça
virtude ou trapaça
suas patas deixam
marcas no caminho
até que explodam
instintos selvagens
e logo depois
prenúncio de sol
homem ocidental
lúcido e racional
retoma a rotina
inodora insossa
no raiar do dia

domingo, 28 de junho de 2009

flashes

Como num flash inesperado, eu vi toda a poesia do mundo nas pétalas daquela rosa. A lágrima que rolou - não sei, - seria minha, seria da rosa, seria uma gota isolada caída dos olhos de Deus chorando as coisas criadas?!
Pensei no mundo, pensei na vida, pensei num pensamento sem fim e viajei perdidamente exasperado fazendo buscas interiores, das cores vivas ora esmaecidas, dos risos cristalinos ora reticentes, dos rostos mais lindos que iluminavam a vida da gente. Foi aí, num repente, como num flash inesperado eu vi... A imagem repentina feito uma seta certeira acerta a letra, a sílaba, a frase sorrateira que mergulha sob os sentidos e adentra o canto mais escondido onde se pode chorar enternecido olhando pétalas caídas.
E a imagem toi tão vívida e real que a impressão nunca se esvai e a rosa despetalada e as pétalas daquela rosa se tornam os meus versos, preenchem definitivamente meus universos com sua poesia escancarada...

sexta-feira, 26 de junho de 2009

madrugada

Apesar das nuvens cor de cinza e do ar úmido que penetra as entranhas até a medula, uma claridade alvissareira permite entrever o suave esplendor de um novo dia. Muitas vezes ouvi da boca de meus avós: não há bem que sempre dure e nem mal que nunca acabe. Se aproxima o momento de virar uma página, embora nos faltem algumas linhas a serem decifradas - na esperança de que as suas boas letras se confirmem - e para serem percorridas até o fim da madrugada...

terça-feira, 2 de junho de 2009

ansiedades

Não sei direito se o mundo tem quatro cantos como às vezes se costuma dizer. Não sei sequer se há um único canto no mundo. Tenho ouvido muitos gemidos silenciosos e poucos risos genuínos. Tenho assistido tantas dores que até o meu sorriso costumeiro hoje está emudecido e o meu coração não quer alienar-se à quieta dor do meu irmão! Na sucessão dos fatos espero por um novo alvorecer que nos liberte dessa escuridão em pleno dia. A noite não demarca o tempo e o relógio soturno da madrugada insone parece disposto a não continuar dançando seus ponteiros na sucessão das horas, dos minutos, do tempo que falta para a nossa angústia terminar...

terça-feira, 19 de maio de 2009

pequenos encantos

A finalidade desse canto é fazer dele uma reserva de encantamentos pessoais - tanto meus quanto dos demais. Presunção, alguns dirão. Não, disso não se trata. É porque o tempo passa e a ausência dos registros quase sempre decreta o esquecimento. Os meus encantos são muitos simples e nada grandiloquentes e quero me encantar com os momentos banais nos quais estive aqui rabiscando os sentimentos que geraram. Quero forçar-me a tecer registros sobre as circunstâncias, os fatos significativos ou insignificantes, importantes ou triviais. Quero também destilar alguma poesia a inspirar as vias dos raros transeuntes virtuais que se derem ao trabalho de passar por estes esboços marginais... Ouvi dizer que a escrita ganha autonomia ao escapar pelos dedos do autor. Que seja! Que meus garranchos desprovidos de grandeza cresçam ao olhar generoso da pequeníssima platéia que o vislumbra. Que a caprichosa junção de letras e palavras crie sentidos que provoquem no leitor alguma estima e empatia e ainda, se possível, o mesmo encantamento miúdo que desejam retratar...

domingo, 17 de maio de 2009

tempo tempo tempo

é temporão
é temporal
dias ensolarados
e noites de luar
o relógio pregado na parede
marcando o tempo
vida
morte
ressurreição esperada
e o nirvana
à madrugada
para sempre reine o sol
...

domingo, 3 de maio de 2009

ceticismo na prática

Às vezes é preciso alguma reação. Quando o sol ofusca a vista, quando enche a maré, quando a dúvida assalta a fé. Ninguém vive sem a vontade embora todos saibamos que a morte é certa - quanto a isto não há dúvida. O voluntário é livre e a liberdade é o mais essencial dos valores. Todas estas idéias se concatenavam em minha cabeça nesta manhã ensolarada quanto repentinamente soou a campainha do telefone. O número - desconhecido - atendo, não atendo? Deixo tocar até cair na caixa postal... Quando tentava retomar meus pensamentos o aparelho volta a tocar. Certa raiva assoma mas eu a contenho e atendo a chamada. Alô... alô... aqui é da Asas de Águia Turismo, o senhor é o titular desta linha? Sim, sou eu mesmo... Gostaríamos de informar que o senhor foi sorteado com uma viagem para o Rio de Janeiro com tudo pago e pode levar uma companhia. São 4 dias no feriado de Corpus Christi no All Day Hotel que fica nas proximidades da Tijuca. Vamos preencher uma rápida ficha cadastral... o senhor nos informa seus dados cic, rg, endereço, banco onde tem conta, empresa onde trabalha, uma referência comercial e outra pessoal... Imagino o tu tu tu tu tu tu tu tu tu do lado de lá quando desligo o telefone e deixo fora do gancho. Nesse mundo cético quem vai acreditar nessas "bondades comerciais"?!

domingo, 12 de abril de 2009

Feliz Páscoa!!!

Páscoa é passagem. Na Antiga Aliança consumada entre o Deus de Abraão, de Isaac e de Jacó com os israelitas a Páscoa foi a celebração da passagem libertadora do Mar Vermelho, da escravidão no Egito para a liberdade na Terra Prometida. Na Nova Aliança, a passagem do pecado para a graça, da morte para a ressurreição... Cristo - o Filho de Deus encarnado que assumiu em tudo a condição humana exceto o pecado - tendo morrido ressuscitou e ressuscitando deu-nos nova vida. Esse é o sentido básico da celebração pascal - a revolução drástica que destronou a morte e colocou em seu lugar a vida plena alcançada para nós por Jesus Cristo com o seu voluntário aniquilamento, paixão, morte de cruz e a vitória sobre a morte com a sua ressurreição.
Essa é a minha fé, assim o creio. Então a todos os eventuais transeuntes virtuais que circularem por aqui os meus votos de uma FELIZ PÁSCOA!!!

domingo, 29 de março de 2009

por um mundo melhor

A cada minuto nascem no mundo em torno de 260 pessoas e morrem 110. No próximo minuto, pois, a população mundial que já se aproxima de 7 bilhões de pessoas verá um incremento de 150 pessoas. Em uma hora teremos mais 9.000 habitantes na terra e, ao final de um dia inteiro, mais 216.000 pessoas povoarão o planeta. O problema demográfico que já se experimenta hoje tende a agravar-se no futuro, especialmente em virtude de que os recursos naturais são limitados mas a irresponsabilidade humana não tem limites. As autoridades governamentais conhecem, por exemplo, os riscos do efeito estufa em relação ao aquecimento global e os efeitos perversos que dele advém. Entretanto, não parecem preocupar-se e viabilizar soluções que tragam o reequilíbrio ecológico para o planeta, seus habitantes e para a natureza criada.
Todas as pessoas, individualmente, no entanto, podem efetivamente mudar para melhor ou para pior o próprio mundo e, por conseqüência, o mundo inteiro. Não quero perder a minha oportunidade de melhorar o mundo. E você?!


Fonte da informação sobre a evolução demográfica mundial:

sexta-feira, 27 de março de 2009

avestruz

a mente prenhe
de versos mirabolantes
volteios de elefantes
nesses picadeiros tropicais
que interpelam o meu silêncio
e minha dormência pusilânime
às mazelas
dos cortiços e favelas
contrapontos doloridos
duma arquitetura desigual
entre esquálidos seres comprimidos
e folgados bandidos em black tie

sexta-feira, 20 de março de 2009

fragilidade humana

No limite só posso dizer que não sei de onde vim e tampouco sei aonde vou. Quando lançava o meu olhar sobre os rochedos incrustrados nas montanhas da minha infância, um tremor percorria todo o meu ser tomado de espanto e admiração. Desde aqueles primevos dias de imberbe ingenuidade já me sentia perturbado e aturdido pela desproporção de mim e o magma em rocha exposto sobre os montes. Então fechava os olhos – e na densa escuridão que se formava, via as estrelas do mundo abissal em seu avesso e eu, aquele ser tão frágil no começo – agora ainda mais frágil que conheço um ínfimo de mim, do mundo, do bem e do mal...

sexta-feira, 6 de março de 2009

vergonha e desgoverno

        Vivemos um tempo que torna difícil resistir à avalanche dos juízos superficiais. Condena-se o inocente e inocentam-se os culpados. A hipocrisia prevalece na denúncia “corajosa” ao ladrão de galinhas e no silêncio conivente frente ao roubo escancarado dos colarinhos brancos executivos e legislativos, frutos da má escolha que fazemos nas urnas. Nesse dilúvio de corrupção muitos canoeiros apenas lamentam não estar a bordo da nave transatlântica de malversação do erário.
        Os sistemas econômicos privilegiam as coisas em detrimento das pessoas e algumas poucas pessoas e nações dominam a maioria e exploram o planeta de forma predatória. Queimam as matas, poluem rios e oceanos e se devasta impunemente a natureza no que ainda sobrou de suas reservas em fauna e flora. Assiste-se, como espasmos dessa perversão geral, cataclismos naturais, mudanças climáticas e abalos sociais com os fenômenos da violência na cidade e no campo se espraiando assustadoramente. Quem ainda não sofreu diretamente ou ao menos não viu resquícios de sua ação deletéria ao derredor? Que família não tem um ente viciado em cocaína, crack, álcool ou maconha – ou uma pessoa querida escravizada por compulsões de sexo, jogo, comida?! Desestruturadas as famílias, os casamentos se dissolvem, as relações estáveis se desestabilizam, os relacionamentos se tornam descartáveis.
        No nível global, muitas nações guerreiam entre si e privilegiam em seus orçamentos o componente bélico em detrimento do saneamento básico, alimentação, saúde e educação das pessoas.
        Virá o apocalipse?!
        O que deixaremos de herança para as gerações futuras? A natureza devastada, a sociedade esgarçada, uma pátria de desmandos onde os mais aquinhoados devorarão os mais fracos ostentando um sorriso cínico?
        Quisera uma gota de otimismo a temperar esse momento deprimente mas o meu coração se aperta pensando no mundo que estamos deixando para os nossos descendentes.
        Mas – ressuscita o mago do otimismo que trago dentro de mim - quem sabe aconteça um milagre?! Quem sabe alguns políticos honestos despertem de seu sono hibernatório e furem o fundo do navio ao qual não conseguem mais dar rumo, fazendo-o perder o prumo e afundar. Quem sabe, então, começando aqui entre nós, feito uma Fênix ressurgida - desta vez das águas – se veja novamente o norte e o povo forte deste Brasil possa regenerar a nação envergonhada e desgovernada...

quinta-feira, 5 de março de 2009

pele

a nossa pele
manto que esconde
ou que nos desvela
traz o paraíso
se não faltar juízo
em falsos mergulhos
nas águas do inferno...

segunda-feira, 2 de março de 2009

dura lex

ai de mim
se a mente não for forte
pois a carne é fraca
e sucumbe à morte
só a pedra dura
e não é mole não
dura lex
sed lex

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

30 ANOS


           Me preparando pra esse dia ensolarado eu, de repente, olhei no espelho e vi uma criança já crescida. E li por trás do seu sorriso o risco iminente de cair um turbilhão de lágrimas contidas. Imagens se sucederam freneticamente nas lembranças desse tempo já vivido, e um balanço foi se desenhando com os números pulsantes de uma vida. Vislumbrei o rosto jovem dos meus pais de quando eu ainda engatinhava e recordei a pura alegria dos meus irmãos da infância feliz que eu ainda não sabia. Revi o encanto das brincadeiras da minha meninice e as monumentais algazarras entre os amigos da rua e dos tempos de escola. Recordei depois o meu olhar furtivo em busca das primeiras aventuras, os olhares trocados, os toques de mão, o primeiro beijo escondido e roubado e os arroubos daquelas sensações desconhecidas – quase um meu nirvana juvenil. Tanta efervescência, muitas lembranças e tantos grilos povoando a adolescência. Alguns e algumas trago camufladas até aqui... Mas o que seria da vida sem os encontros – sem os desencontros?! Confesso que cresci. E fiz os pactos dos amores que foram infinitos pelo tempo que duraram. Vi que era bonito amar assim e elaborei milhões de planos. E fiz mil coisas nestes dias de ventura. Eu quase me perdi. A vida foi abrindo as suas caixinhas de surpresas – boas, más, – algumas foram de extasiar e outras quase me mataram. Ganhei, perdi. Fui sorteado com uma fonte de sorrisos e acho que por isso não aprendi chorar. E distribuo risos com fartura fazendo o que é possível pra não ter choro à minha volta. Algumas vezes fracassei nessa empreitada e não consegui deter as lágrimas – eu mesmo fui varrido por elas, especialmente quando uma noite traiçoeira açoitou minha família e nos roubou o que havia de maior brilho. Uma jóia rara: irmão, amigo, filho... Mas fiquei sabendo por intermédio das estrelas que entre elas ele foi se instalar – Deus viu que para uma gema tão preciosa – estar ao lado Seu, no céu - era o melhor lugar. Agora é um anjo protetor – com nome de irmão – e ilumina a nossa casa com o seu olhar, o seu cuidado e o seu jeito amoroso de nos acompanhar. E ele nos diz que a vida deve continuar, que o tempo não para e nem pode parar...
           No lugar dos amores transitórios da juventude a vida me presenteou com o amor que veio pra ficar. E foi tanta doçura no saciar a fome dos meus beijos e abraços... Fincado em terra firme enfrentei e enfrentamos as ventanias, as chuvas torrenciais da vida, os medos, as tristezas, os conflitos naturais. Os que não venci sozinho, vencemos juntos – os que perdi, juntos não perdemos. E o amor não demora, no tempo certo traz os frutos da espera. E uma barriga se enfeitou de vida para embalar o fruto desse nosso amor. Quando me dei conta da paternidade que assumia – ah nesse dia eu chorei – chorei de alegria, chorei de espanto, chorei de encanto, chorei de amor... E tudo isso no meio do meu maior sorriso e se daqui pra frente em algum momento eu não sorrir, não é preciso – pois trago no meu ninho, nos meus braços de pai – um sorriso que veio do céu para inundar de alegria a nossa vida, um presente de Deus que nos faz a vida celebrar.
           E agora, o que será do amanhã?! Não sei... Mas sei que Deus está comigo e tem me carregado nos momentos de agonia e dor. E o sorriso da proteção divina jamais deixará de nos acompanhar - por isso quero celebrar com meus amigos, minha família, minha mulher - metade preciosa de mim, e a minha filha. Quero sorrir com todos e, se eu chorar, que seja de alegria, que seja de amor que tanto eu tenho recebido e tanto eu tenho para dar.

(Ps.: homenagem ao primo Adriano no seu 30º aniversário.)

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

garoa

chove com insistência
num derrame de gotas modorrentas
e as folhas molhadas
espargem brilhos ao redor
todos os sentidos preguiçosos
trabalham à meia luz
cheiros, sons e paladares
brotam da terra em cio
fazendo um torpor vazio
aquietar meus sinais...